Lean Manufacturing

Lean Manufacturing

  • 19 Alunos matriculados
  • 38 Horas de duração
  • 142 Aulas
  • 22 Módulos
  • 1 ano de suporte
A inscrição para este curso terminou em 23/07/2018 às 00:00:00
Entrar na lista Seja avisado quando houver novas turmas!
Hominiss Consulting
Nenhuma descrição cadastrada.
1 ano Sem tempo para fazer o curso agora? Não tem problema.
Você poderá participar desse curso até 1 ano após a matrícula.
Nenhuma descrição cadastrada.
Hominiss Consulting
""


Conteúdo Programático

A busca pela eliminação de desperdícios
Independente do segmento, para manterem-se competitivas, as empresas devem buscar eliminar seus desperdícios e garantir a entrega de valor para aqueles que mais importam, seus clientes. Saber como identificar os desperdícios mais dolorosos e eliminá-los de forma sustentável garantem a renovação do bem-estar organizacional.

Por isso, a tarefa de identificar as mudanças que visam trazer valor ao cliente não pode resumir-se a ações pontuais. Essa tarefa deve ser um exercício ininterrupto e constantemente renovado.

Aplicando Melhorias e reduzindo desperdícios – O Pensamento Enxuto
Nascido no Japão pós-guerra, o Pensamento Enxuto propõe um método de trabalho focado no processo de reconhecimento das oportunidades de ganhos, visando formar uma organização enxuta voltada à constante execução de melhorias.

Seu conceito central consiste em uma metodologia de identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios. Visando formar empresas mais robustas para atender seus clientes com qualidade, tal método promove o conceito de melhoria contínua através de ferramentas aplicáveis a todos os tipos de organização.

Mas afinal, como aplicar o Pensamento Enxuto em uma organização?
Apresentando passos claros e objetivos, este curso apresenta as etapas a serem seguidas na formação de uma organização enxuta. Ainda neste módulo, mostramos como adaptar a estrutura organizacional à estrutura de melhorias para que as oportunidades de ganhos sejam aproveitadas da melhor maneira.

O curso de Introdução ao Pensamento Enxuto é o passo inicial para que toda empresa possa garantir a máxima agregação de valor aos seus produtos e serviços.

Não perca a chance de tornar-se uma Empresa Enxuta!
  • 1. Trailer - Introdução ao Pensamento Enxuto
  • 2. Aula 1 - Introdução
  • 3. Aula 2 - Metodologia
  • 4. Aula 3 - Estrutura Básica
  • 5. Aula 4 - Sistema de Medição Operacional
  • 6. Aula 5 - Estrutura de Sustentabilidade e Desenvolvimento
  • 7. Aula 6 - Sistema de Medição Lean
  • 8. Aula 7 - Educação Gerencial Lean e Integração de Áreas
Seja uma empresa enxuta
Manter-se alinhada às necessidades dos clientes não é suficiente para garantir o sucesso de uma companhia. Para isso, faz-se necessário também entregar valor poupando esforços e recursos organizacionais e, ainda, eliminando os desperdícios que não representam vantagem ao cliente final.

Empresas que conseguem executar essa tarefa fidelizam seus clientes não apenas com o produto final, mas também com a confiabilidade de suas entregas, com a oferta de preços competitivos e a garantia da melhoria contínua de suas atividades. Denominamos essas organizações de empresas enxutas.

As Ferramentas de uma empresa enxuta
As empresas enxutas fazem uso da metodologia do Pensamento Enxuto (Lean Thinking), que visa a identificação e a eliminação sistemática e sustentável de desperdícios. Esse método introduz o conceito de melhoria contínua, através de ferramentas aplicáveis a todos os tipos de organização.

Conhecer melhor as ferramentas do Pensamento Enxuto e compreender quais as situações em que cada uma poderá ser aplicada fazem parte do aprendizado de uma empresa enxuta. Este módulo traz as principais Ferramentas Lean, exemplificando o uso de cada uma delas.

Ao assistir estas aulas você compreenderá o método de execução das ferramentas Lean de modo a obter resultados significativos na gestão das melhorias dentro de sua companhia.

Venha conhecer ainda mais como as Ferramentas Lean podem trazer grandes resultados à sua organização!
  • 1. Trailer - Introdução às Ferramentas Lean
  • 2. Aula 1 - Introdução as Ferramentas Lean
  • 3. Aula 2 - Introdução as Ferramentas Lean
Mudanças que não se transformam em melhorias
Um resultado assustador de pesquisas associadas à gestão de mudanças é que a maioria dos projetos de melhoria nas organizações, com ou sem fins lucrativos, não dão resultados significativos e duradouros. O enfoque excessivo em elementos técnico-operacionais encobre a necessidade de se atuar em outros elementos relacionados ao conceito de gestão de mudanças. Com isso, o baixo envolvimento ou resistência das pessoas quase sempre acabam sendo mal compreendidos e mal administrados pelos agentes de mudança.

Como evitar, então, tais armadilhas e obter sucesso na jornada de transformação em uma organização de mentalidade enxuta?

A Gestão de Mudanças e a Jornada Lean
Além do método e das ferramentas tradicionais, para que a mudança se torne de fato uma melhoria com resultados efetivos e duradouros é importante trabalhar outros fatores como princípios, crenças e valores, estrutura organizacional, liderança esclarecida, dentre outros.

Este curso tem como objetivo apresentar os principais conceitos de gestão de mudança que devem ser trabalhados durante a sua jornada lean. Para isso, ele foi dividido em quatro aulas.

Construa mudanças de sucesso e alcance resultados duradouros!
  • 1. Trailer - Gestão de Mudanças e a Jornada Lean
  • 2. Aula 1 - Por quê os programas de mudança falham? Ou seja, quais elementos estão sendo negligenciados no processo de mudança
  • 3. Aula 2 - Entendimento de necessidade de mudança. Por que mudar? Como sensibilizar as pessoas para o processo de mudança?
  • 4. Aula 3.1 - Infraestrutura: Como dar suporte ao processo de mudança
  • 5. Aula 3.2 - Como dar Suporte ao processo de mudança?
  • 6. Aula 3.3 - Infraestrutura - Como dar suporte ao processo de mudança?
  • 7. Aula 4 - Sustentabilidade - Como manter o que foi mudado? Quais são as práticas e ferramentas que devemos aplicar até que a mudança esteja devidamente ancorada na rotina de trabalho de cada um?
Algumas questões devem ser respondidas…
Como fazer com que toda a organização consiga enxergar os processos que a levam a oferecer valor aos seus clientes? Como comunicar pessoas de diferentes áreas e níveis de uma forma simples e precisa? Como verificar onde encontram-se os principais desperdícios nas atividades realizadas em uma organização? Como verificar possíveis resultados de planos de ação dentro do fluxo de trabalho?

… e a resposta para todas elas é: “Com um mapa!”
O mapa de fluxo de valor é uma ferramenta de análise e comunicação que visa recriar, de forma simplificada, a trajetória de atividades que uma família de produto percorre até encontrar seu cliente final.

Muitas vezes acreditamos conhecer muito bem nosso fluxo de valor, porém a visão de pessoas de áreas e níveis distintos nem sempre é a mesma. A fim de eliminar distorções e formar um conceito claro é importante que todos sejam apresentados à mesma estrutura. Por isso, o mapa de fluxo de valor traz a melhor representação daquilo que fazemos.

Ainda através do mapa de fluxo de valor, verificamos onde se encontram os desperdícios e, ainda mais, quais desperdícios oferecerão maiores ganhos quando combatidos. Dessa forma, a elaboração de planos de ação torna-se mais efetiva e garante o comprometimento de toda a equipe.

Conhecer seu mapa de fluxo de valor e saber como utilizá-lo na construção de uma empresa enxuta é o primeiro passo de uma jornada lean de sucesso. Não perca a chance de desenhar o mapa de fluxo de valor de sua organização e iniciar também a sua jornada!
  • 1. Trailer - Mapeamento do Fluxo de Valor
  • 2. Aula 1 - Mapeamento do Fluxo de valor 1: Noções gerais da Ferramentaria
  • 3. Aula 2 - Mapeamento do Fluxo de valor 2: Exemplo de Mapeamento Fábrica Quadrex
  • 4. Aula 3 - Mapeamento do Fluxo de Valor 3: Exercício prático Fábrica de Carretas
Ir além e desenhar o futuro
Muitas empresas desaceleram seu crescimento devido à dificuldade de identificar sua visão de futuro no curto e médio prazo e, por isso, acabam paradas, sem saberem quais serão os próximos passos que garantirão a melhoria de suas entregas. Ao decidir por mudanças dentro do ambiente organizacional, é preciso conhecer a dimensão dos problemas existentes e o impacto das iniciativas que irão remediá-los.

O primeiro passo é compreender o estado atual da organização. Para isso, utiliza-se o mapa de fluxo de valor atual, que contém a entrega de valor e quais são os atuais desperdícios evidenciados nos processos existentes. Porém, é necessário ir além e entender o caminho futuro a ser seguido.

O mapa de fluxo de valor futuro é o próximo passo
O mapa atual mostra o estado contemporâneo de nossos processos e, logo após, a construção do mapa de fluxo de valor futuro mostra aonde queremos chegar e quais melhorias organizacionais farão parte desse caminho.

A metodologia para o desenho de um mapa futuro e ainda exemplos claros de implantações de soluções serão dados neste módulo. Apresentaremos aqui as principais recomendações para a elaboração de um mapa de fluxo de valor futuro executável, exemplificando soluções baseadas nas ferramentas Lean. Trataremos ainda do método de implantação de melhorias recomendado pelo Pensamento Enxuto (Lean Thinking), conhecido como Evento Kaizen.

Comece já a desenhar seu mapa de fluxo de valor futuro e conduza sua organização para uma situação futura livre de desperdícios!
  • 1. Trailer - Elaboração do Mapa de Valor Futuro
  • 2. Aula 1 - Elaboração do Mapa de Valor Futuro 1
  • 3. Aula 2 - Elaboração do Mapa de Valor Futuro 2
  • 4. Aula 3 - Elaboração do Mapa de Valor Futuro 3
  • 5. Aula 4 - Elaboração do Mapa de Valor Futuro 4
O Método A3
Cada vez mais somos inundados por uma quantidade avassaladora de informações e dados. Imagine, então, as lideranças das empresas e organizações? Estas pessoas são, afinal, os patrocinadores dos projetos de melhoria e os tomadores de decisão, que irão avaliar o desempenho de um projeto e, também, selecionar quais projetos de melhoria irão para frente e quais ficarão “engavetados”.

Inundá-los com dezenas de páginas de relatórios ou demoradas apresentações em estilo powerpoint não parece ser a abordagem mais eficiente neste cenário.

Além disso, do lado da organização, é importante ter um padrão de comunicação de ideias, projetos e soluções de forma estruturada e de fácil comunicação para que o conhecimento seja mais facilmente transmitido e compreendido por todos.

Mas, como fazer para produzir e comunicar de forma clara e sucinta uma melhoria ou solução de um problema?

Pensamento, técnica ou método A3
Apresentaremos o pensamento e a lógica de uma ferramenta conhecida como A3 (A3 Thinking) e compreender como usá-lo. Basicamente, isso permite que tenhamos as informações mais importantes em uma única folha de papel para que a ideia seja facilmente compreendida e facilite a tomada de decisão.

O pensamento A3 permite propormos e acompanharmos as melhorias dos processos sem perder de vista os resultados pretendidos como metas e alvos de desempenho.

A estrutura de raciocínio permite deixar claro quais são os objetivos e requisitos da proposta, encontrar a causa raiz do problema e propor cursos de ação (propostas de mudança) com seu respectivo plano de implantação e medidas de controle para verificar se os resultados pretendidos estão sendo alcançados ou medidas de correção precisam ser tomadas.

Entenda como ter um modelo de raciocínio para solução de problemas e, ao mesmo tempo, comunicar de forma clara, simples e visual as ideias de melhoria!
  • 1. Trailer - Método A3
  • 2. Aula 1 - Introdução ao Pensamento A3
  • 3. Aula 2 - Da Situação Atual até o Plano de Ação
  • 4. Aula 3 - Controle e Contexto
Lean Management
O Lean Management é uma forma de gestão que visa atingir os objetivos da organização por meio das pessoas, padronizando e descentralizando o processo de tomada de decisão. Sendo assim, os objetivos do Lean Management podem ser sumarizados nos seguintes pontos:

Criar mecanismos para padronização e descentralização do processo de tomada de decisão.
Traduzir os princípios lean em critérios claros de avaliação de desempenho das operações em todos os níveis.
Manutenção de melhores práticas, através da padronização dos processos de gestão.
  • 1. Aula 1 - Introdução
  • 2. Aula 2 - Mindset
  • 3. Aula 3 - Método de Condução
  • 4. Aula 4 - Gestão de Desempenho
  • 5. Aula 5 - Gestão Visual
  • 6. Aula 6 - Rotinas de Gestão
Fluxo contínuo e Layout Lean
A eficiência operacional e gerencial de um sistema produtivo depende diretamente da forma como os recursos estão alocados no espaço disponível. É relativamente comum nos depararmos com espaços produtivos utilizados de forma ineficiente, aumentando custos operacionais e de transporte e movimentação (com o uso excessivo de empilhadeiras, por exemplo).

Neste cenário, a gestão fica muito trabalhosa e prejudicada, estoques em processo apresentam níveis excessivos e há frustração com os resultados alcançados.

Podemos, sim, repensar o arranjo físico (layout) para que torne a excelência operacional parte do dia-a-dia e, também, do projeto do sistema produtivo.

Lean Plant Design & Formação de Células
Empresas, sejam elas industriais ou de serviços, podem ser concebidas de forma que já nasçam com um layout enxuto (lean). A metodologia HOMINISS de Lean Plant Design proporciona boas alternativas de layout e a análise por meio de parâmetros e requisitos claros para a seleção do melhor arranjo físico. Tenha certeza de que é mais rápido e menos custoso pensar em um layout enxuto quando se está na fase de projeto do que, posteriormente, ter-se a necessidade de mudanças radicais de layout (que são mais caras). Ainda, a concepção do modelo de negócio visando cenários futuros de operação (em termos de volume e variedade de produtos) evita a necessidade de construção de “puxadinhos” industriais, que atrapalham o fluxo e geram custos adicionais.

O conceito de manufatura celular existe há mais de 50 anos. No entanto, várias indústrias têm caído em “armadilhas” em suas tentativas de replicar esta parte do Sistema Toyota de Produção. A manufatura celular não se refere somente ao posicionamento de máquinas e estação de trabalho, mas principalmente ao fluxo do produto.

É necessária uma abordagem sistêmica de projeto de melhoria para que um processo que opere em um layout tradicional passe a operar em um sistema de manufatura flexível e em fluxo, com menos estoques e maior produtividade.

Conheça a metodologia consagrada e já aplicada em dezenas de empresas para escolha e projeto de um arranjo físico (layout) com maior excelência operacional!
  • 1. Trailer - Fluxo Contínuo e Layout Lean
  • 2. Aula 1 - Lean Plan Design
  • 3. Aula 2 - Tipos de layout
  • 4. Aula 3.1 - Formação de células para fluxo contínuo
  • 5. Aula 3.2 - Medir e mapear o processo atual
  • 6. Aula 3.3 - Analisar fluxo e projetar célula: Equipamentos
  • 7. Aula 3.4 - Analisar fluxo e projetar célula: Operadores, layout e logística interna
  • 8. Aula 3.5 - Implantar e Controlar
Sua empresa tem desafios e oportunidades de ganho ocultas?
Pense em sua empresa. Caso as pessoas que realizam suas atividades fossem substituídas hoje por outras pessoas, ela estaria funcionando amanhã?

Ainda quanto às atividades operacionais, você pode ter observado sua empresa ou setor e tido a sensação de que há funcionários suficientes, mas que isso não está bastando para atender às entregas em tempo adequado. Provável que também já tenha notado que alguns parecem ocupados o tempo todo enquanto outros nem tanto.

Como identificar as oportunidades escondidas?
Se você tem dúvidas para responder tais questões ou não consegue sanar esses incômodos, pode estar na hora de pensar um pouco mais em padronização e também em balanceamento.

Em nosso dia a dia, podemos realizar tarefas da maneira que mais no agrada. Contudo, em uma empresa, as atividades têm característica coletiva e, portanto, precisam ser padronizadas, associadas à função e não às pessoas. Ao padronizá-las, todos poderão realizar as atividades da mesma maneira, garantindo padrões de qualidade e parâmetros temporais confiáveis que sustentarão o conceito de balanceamento.

Esse, por sua vez, tem o objetivo de garantir o nivelamento da carga de trabalho entre os colaboradores de modo a atender ao ritmo da demanda, sem ociosidades ou sobrecargas. Muitos produtos e serviços podem estar escondidos sob um trabalho não padronizado e desbalanceado!

Prepare-se para identificar as oportunidades escondidas em sua organização!
Neste curso você aprenderá mais sobre os conceitos de padronização e balanceamento, através de exemplos práticos, que poderão ser aplicados em sua organização.

Não perca a chance de fazer mais com o mesmo! Descubra que a atual capacidade de sua empresa pode entregar mais para seus clientes!
  • 1. Trailer - Balanceamento e padronização de atividades
  • 2. Aula 1 - Padronização: Por que padronizar?
  • 3. Aula 2 - Padronização: Metodologia da Padronização
  • 4. Aula 3 - Balanceamento de carga de Trabalho: Passo a passo para Balanceamento
  • 5. Aula 4 - Balanceamento de Carga de Trabalho: Passo a passo para balanceamento - Case de Balanceamento
A importância do sistema de PCP
O planejamento, programação e controle da produção (PCP) tem como objetivo principal garantir que a produção de uma organização atenda a sua real demanda, nas quantidades e prazos corretos. A principal dificuldade desse processo é o correto equilíbrio entre a confiabilidade da entrega ao cliente e a manutenção de estoques baixos, favorecendo a venda e diminuindo custos, respectivamente.

Dessa forma, para a escolha do sistema de gestão da produção é crucial conhecer as características de sua demanda e de seu sistema produtivo. A fim de atingir seus objetivos de venda, cada empresa tem características básicas importantes que devem ser consideradas na definição do melhor sistema de PCP.

Um sistema de PCP inadequado pode gerar sobras e faltas de componentes que impossibilitam a entrega do produto final. Além disso, um sistema falho pode ocasionar reprogramações e interrupções de fluxo que geram atrasos e minimizam a confiabilidade do processo.

Conheça o melhor sistema de PCP para sua organização
A proposta desse módulo é ajudar você a definir qual o melhor sistema de PCP para sua organização, baseado em suas características particulares. Apresentaremos quais pontos considerar para a escolha de um sistema e qual escolha resultará na melhor combinação entre custos de estoque e confiabilidade de entrega.

A explicação precisa sobre como utilizar os diversos tipos de supermercado Kanban, formando estoques controlados, bem como o estabelecimento de um sistema híbrido de produção, unindo sistemas puxados e empurrados, são explorados como soluções para os problemas de controle de produção enfrentados pela maioria das organizações.

O módulo de Kanban e Sistemas Híbridos de PCP é definitivamente um curso decisivo para a formação de uma empresa enxuta e na obtenção de excelência no controle de estoques e na performance de atendimento ao cliente.
  • 1. Trailer - Kanban e Sistemas Híbridos de PCP
  • 2. Aula 1 - Visão Geral
  • 3. Aula 2 - Sistemas puxados de programação
  • 4. Aula 3 - Sistemas híbrido de programação I
  • 5. Aula 4 - Sistemas híbridos de programação II
  • 6. Aula 5 - Sistemas híbridos de programação III
Sei quais melhorias posso fazer, mas quais abordar e como “tirá-las do papel”?
Você elaborou seu mapa de fluxo de valor atual, estudou muitas ferramentas lean e, finalmente, construiu seu mapa de fluxo de valor futuro, com toda a situação desejada para sua organização. É maravilhoso, não? Certamente é! Mas, e agora? Sua situação futura será apenas um belo quadro pendurado em sua parede?

Mais que isso, sua empresa precisa com urgência que as melhorias definidas no mapa sejam implantadas, trabalhadas e mantidas. Para isso, basta sair distribuindo ações, definindo responsáveis, comunicando tudo a todos e ao mesmo tempo? Não apenas! Sem planejamento e técnica adequados há uma grande chance de você não conseguir nada além do caos!

Vamos lá! Há uma ferramenta especial que irá ajudá-lo…
O Evento Kaizen é um eficiente meio de implantação de melhorias em sua organização, capaz de organizar, com uma metodologia clara e eficaz, as diferentes atividades e agentes de mudança na obtenção da situação futura desejada.

Desde a priorização dos problemas a serem tratados, até o cronograma de atividades, passando pela definição das equipes de trabalho, tudo é considerado nesta maneira única de conduzir melhorias!

Não erre ao implantar melhorias em sua organização!
Não deixe que as boas iniciativas que conduzirão sua empresa uma melhor situação futura percam-se por não serem corretamente implantadas. Prepare-se para conduzi-las da maneira mais eficiente através deste módulo, onde você terá acesso às melhores práticas mundiais de implantação de melhorias.
  • 1. Trailer - Evento Kaizen
  • 2. Aula 1 - Evento Kaizen 1
  • 3. Aula 2 - Evento kaizen 2
  • 4. Aula 3 - Evento Kaizen 3
  • 5. Aula 4 - Evento kaizen 4
  • 6. Aula 5 - Evento Kaizen 5
  • 7. Aula 6 - Evento kaizen 6
Por que me preocupar com os tempos de setup?
Todas as atividades de uma organização podem ser divididas em três principais tipos: as que agregam valor, ou seja, que realizam serviços ou modificações nos produtos pelas quais os clientes estão dispostos a pagar; aquelas que não agregam valor e são dispensáveis e, portanto, consideradas desperdícios que podem ser totalmente eliminados e, por fim, as que não agregam valor, mas são necessárias.

Se uma peça precisa de determinado furo para ser montada junto a outras, você acredita que seu cliente paga pelo tempo de usinagem do furo ou pelo tempo em que os operadores estão preparando a máquina para usina-lo? Mas se essa atividade, apesar de não agregar valor, é necessária, o que fazer? Reduzi-la a menor unidade de tempo possível! Deste modo, teremos muito mais tempo disponível para fazer o que realmente interessa, ou seja, aquilo que agrega valor ao nosso produto ou serviço!

Não vê oportunidades para reduzir os tempos de setup de sua organização?
Se você pensar rápido, é possível que não encontre nenhuma oportunidade de diminuir os tempos de não agregação de valor em trocas de ferramentas e preparação de máquinas e processos (setups) na sua empresa. Isso acontece, provavelmente, porque você ainda não conhece um conjunto de conceitos e ferramentas muito úteis para a redução de tempos de setup.

Em uma empresa, geralmente, os setups e preparações de máquinas e ferramentas são feitos há muito tempo de uma mesma maneira, o que acaba bloqueando a visão de novos modos de fazer, mais eficientes e econômicos. Nestes hábitos, escondem-se muitas oportunidade de ganho e melhoria…

Descubra novas perspectivas para a realização de setups
Neste módulo você será apresentado ao conceito de SMED (Single Minute Exchange of Die) e a todas as técnicas por ele contempladas. Através de exemplos práticos, verá que pequenos esforços poderão trazer economias consideráveis no longo prazo, através de procedimentos de setup mais inteligentes e com desperdícios mínimos.

Aproveite o potencial das técnicas de SMED. Realize setups em menor tempo, com maior eficiência, e tenha mais tempo para produzir!
  • 1. Aula 1 - SMED
  • 2. Aula 2 - Como aplicar as técnicas de SMED?
Sem falha, sem custo
Nenhum cliente está disposto a esperar o conserto de um equipamento, também não paga por uma peça defeituosa, ou ainda, não vê valor em peças que demoram mais para serem produzidas. Muitos processos produtivos dependem de equipamentos e, os equipamentos que falham e quebram causam esperas e custos.

Assim, para muitos empreendimentos a manutenção adequada de seus equipamentos torna-se uma vantagem competitiva, podendo gerar preços mais baixos e confiabilidade mais elevada.

Conheça o TPM e mude seu conceito de manutenção
Apresentaremos neste módulo a ferramenta mundialmente conhecida como TPM (Total Productive Maintenance ou Total Performance Management) que, fundamentada em 8 pilares, busca oferecer a melhor alternativa de gestão da performance produtiva integrada à manutenção, baseada nos objetivos do negócio e na representatividade do equipamento.

O TPM consiste em uma ferramenta completa, que visa quebrar paradigmas de custos considerados intrínsecos ao processo. Neste módulo, você vai aprender os detalhes de sua conceituação e implantação, tanto para a equipe de manutenção como para as equipes operacional e gerencial.

Entre os objetivos do TPM temos a elevação da vida dos ativos, a máxima eficiência dos processos produtivos e o combate as perdas de qualidade. Ao trazer um novo conceito de produtividade, o TPM visa formar processos cada vez mais robustos.

Garanta seu diferencial

O curso de TPM é essencial para qualquer empresa que depende de equipamentos para entregar valor ao seu cliente. E, ainda mais, para aquelas que desejam fazer de seus processos seu diferencial.
  • 1. Trailer - TPM Manutenção Produtiva Total
  • 2. Aula 1 - Introdução a TPM
  • 3. Aula 2 - Pilar 1 - Manutneção Autônoma
  • 4. Aula 3 - Pilar 2 ao 8
Cadeia de Suprimentos ineficiente e com altos custos
Com grande frequência, a cadeia de suprimentos é uma fonte de dores de cabeça para os gestores dos sistemas produtivos. São diversos os problemas que advém de uma estrutura de fornecimento não otimizada, dentre os quais podemos destacar: faltas frequentes de matérias-primas, altos custos com capital de giro e estoques elevados e etc.

Fornecedores não confiáveis e com baixa aderência aos prazos e qualidade geram paradas de produção, necessidade de horas-extras, atrasos no atendimento aos prazos acordados e, por fim, clientes insatisfeitos.

Além disso, uma cadeia de suprimentos não-sincronizada faz com que seus diferentes componentes fiquem alterando entre períodos de ociosidade excessiva e outros com necessidade de horas-extras e, o que é muito comum, baixa ineficiência produtiva com elevados níveis de estoques.

Mas, como podemos conceber uma cadeia de suprimentos com seus elos operando de forma coordenada e, ao mesmo tempo, tendo uma função de compras que participe como um agente estratégico do processo?

Tornando a cadeia enxuta – Lean Supply Chain
Inicialmente, será apresentado o papel da função de compras no contexto da cadeia produtiva, de modo que possamos entender a sua evolução rumo a um papel mais estratégico de compras. Em seguida, entenderemos as diferentes estratégias de compras dependendo do risco versus o valor (custo) dos itens comprados.

Em seguida, analisaremos de forma crítica nossa cadeia de fornecimento, vendo as vantagens e desvantagens de termos diversos fornecedores, terceirizarmos processos e alguns modos de fazermos avaliação de fornecedores.

De forma complementar, veremos formas práticas e estatísticas de dimensionamento de estoques de matérias-primas e operacionalizar sistemas puxados de compras. Falaremos sobre o milk-run como forma de reduzir custos com estoques de itens fornecidos e, ao mesmo tempo, aumentar a aderência aos prazos de entrega. Por fim, apresentaremos o efeito Forrester, também conhecido como amplificação da demanda, de modo a entender as suas causas e potenciais soluções.

Projete uma cadeia de suprimentos enxuta, reduzindo custos de matérias-primas e aumentando a confiabilidade de entregas!
  • 1. Trailer - Lean Supply Chain Cadeia de Suprimentos Enxuta
  • 2. Aula 1 - A função compras
  • 3. Aula 2 - Terceirização e fornecedores
  • 4. Aula 3 - Sistemas puxados de compras (kanban de matérias-primas)
  • 5. Aula 4 - Milk-run e Efeito Forrester
Fluxo de informação ineficiente e custoso
Enquanto os desperdícios no chão de fábrica podem ser mais fáceis de serem identificados, os desperdícios nos escritórios e tarefas administrativas são mais difíceis de serem visualizados, podendo ser mais caros e graves: podem afetar o fluxo de caixa, piorar a imagem da organização junto aos seus clientes, gerando um ambiente de trabalho estressante e desmotivador.

Quando um grande pedido não é faturado no prazo, quando informações são repassadas de maneira errada gerando retrabalho, quando uma solicitação de pedido de um cliente importante ou uma proposta de venda são entregues atrasadas, os prejuízos são enormes! Em muitos casos, é mais demorado o processamento da informação do que a fabricação e montagem do produto propriamente dito.

Para que uma empresa seja enxuta, é importante gerenciar corretamente o fluxo administrativo e reduzir os desperdícios nos escritórios. Mas como isso pode ser feito?

Tornando enxuto o fluxo de informação
A melhor maneira de identificar e quantificar os desperdícios é realizar um mapeamento do processo, fazendo um mapa do estado atual do fluxo de informação.

Sabemos que, na maioria das vezes, esta é uma tarefa difícil e trabalhosa, pois diferente do fluxo produtivo, onde a transformação do material é facilmente identificada e visível, o fluxo de informação é fragmentado em diversos departamentos e silos organizacionais com as pessoas tendo uma visão muito parcial, incompleta e muitas vezes errada do fluxo.

Essa aplicação do pensamento enxuto (lean thinking) aos processos administrativos e ao setor de serviços é conhecida como Lean Office.

Neste módulo você aprenderá a mapear fluxos de informação, e a aplicar essa filosofia de redução e eliminação sistemática de desperdícios nos processos administrativos e descobrirá como evitar que eles acabem ficando marginalizados em organizações de diversos setores, desde a indústria, até os serviços e a saúde.

Faça fluir a informação e gere ganhos significativos de produtividade!
  • 1. Aula 1 - Introdução
  • 2. Aula 2 - Metedologio Hominiss para Lean Office - Situação atual
  • 3. Aula 3 - Metodologia Hominiss para Lean Office - Situação Futura
Mudamos para melhor, mas, e agora?
Se você se esforçar um pouco, garantimos que consegue localizar na memória diversas boas iniciativas realizadas em sua empresa, mas hoje esquecidas. Tudo começa com grande entusiasmo, grande mudanças acontecem, todos se animam para garantir o sucesso dos novos padrões, mas o tempo passa e as iniciativas se perdem.

Nenhuma implantação de melhoria, por si só, garante geração de resultado. Para desfrutar de seus resultados faz-se necessária a transformação desta em uma rotina de trabalho, que não possa ser descontinuada pelos “problemas de sempre”.

Como, então, sustentar as melhorias implantadas?
Para isso, há um passo primordial na conversão de melhorias em novas dinâmicas de trabalho: sustentar o procedimento implantado. Etapa muitas vezes desvalorizada pelas empresas, a sustentabilidade é a garantia de que os novos procedimentos se tornarão hábitos!

Há um conjunto de ferramentas que apoiará a perenidade das iniciativas de melhoria em sua organização, a fim de que estas sejam sustentáveis no médio e longo prazo. Garantindo a sustentabilidade das melhorias, a empresa não perderá os resultados alcançados e estará apta a procurar novas oportunidades de ganhos.

Saiba como fazer…
Neste módulo, você será apresentado às principais ferramentas de apoio à sustentabilidade de melhorias, bem como a exemplos de sua aplicação. Desse modo, a busca por novos resultados e melhorias em sua organização não comprometerá os resultados já obtidos.

Valorize os esforços de melhoria de sua organização. Não permita que eles se percam!
  • 1. Trailer - Sustentabilidade Lean
  • 2. Aula 1 - Por que cuidar da Sustentabilidade de melhorias?
  • 3. Aula 2 - Por que fazer melhorias?
  • 4. Aula 3 - Ferramentas de Sustentabilidade de melhorias
  • 5. Aula 4 - Práticas para a sustentabilidade de melhorias
A dificuldade em consolidar resultados através de melhorias
Cerca de 70% das indústrias americanas empregam a produção enxuta como método de melhoria e, no entanto, apenas 2% das empresas afirmam terem alcançado totalmente seus objetivos nesta jornada. Ainda, menos de 1/4 (24%) relatam alcançar resultados significativos.

Muitas empresas tentam simplesmente empregar algumas ferramentas da produção enxuta como forma de “carimbar” seu sistema como lean, sem entender as bases fundamentais da mudança em termos práticos e, também, de técnicas e estilo de gestão.

Mas, então, como podemos evitar a frustração de uma empreitada com resultados muito abaixo dos esperados e, o que é pior, tornando as pessoas refratárias à novas iniciativas de mudança e melhoria?

Princípios de gestão do maior fabricante do mundo
Inicialmente, precisamos entender que o Modelo Toyota consiste de princípios que nortearam uma empresa consagrada pela eficiência de seus processos, rigidez no controle de custos e alta produtividade. É extremamente útil conhecê-los e compreender quais deles se aplicam ao nosso negócio.

Eles fazem parte de um encadeamento que permeia todo o negócio, iniciando-se pela formação de uma visão de longo prazo (filosofia do sistema) para, em seguida, analisar e otimizar incansavelmente os processos visando a eliminação de perdas (por meio de 7 princípios).

A extensão dos princípios passa a desenvolver e desafiar as pessoas (funcionários e parceiros) para que vivenciem os princípios e formem lideranças que vivam a filosofia e, na sequência, construir diretrizes sistemáticas para aprendizagem e melhoria contínua.

Entenda os princípios de gestão do maior fabricante do mundo e a forma de administração que revolucionou seus resultados de produtividade e lucratividade!
  • 1. Trailer - O Modelo Toyota
  • 2. Aula 1 - Introdução ao Modelo Toyota
  • 3. Aula 2 - Processo: Eleminação de perdas
  • 4. Aula 3 - Funcionários e Parceiros (People/ Partners): respeitar, desafiar e desenvolver
  • 5. Aula 4 - Solução de problemas (Problem Solving): aprendizagem e melhoria contínua
Nivelamento de Vendas e Recursos Produtivos
Quando falamos em vendas, pensamos em clientes e suas demandas, que, naturalmente, se modificam ao longo do tempo. O problema é que este processo tem impactos significativos na cadeia produtiva, acarretando em estoques desnecessários, excesso de capacidade de produção e necessidade constantes de intervenções para “apagar incêndios”, por exemplo.

Neste módulo, você verá como interpretar os problemas da variabilidade de demanda relacionados aos diversos estágios do fluxo – compras, vendas, produção e projeto do produto –, além de como propor soluções para minimizar os efeitos negativos do desnivelamento para melhor atender seus clientes.

Assista ao módulo e garanta sua cadeia de valor mais coesa, nivelada e com melhor performance!
  • 1. Trailer - Nivelamento de Vendas e Recursos Produtivos
  • 2. Aula 1 - Por que nivelar é importante?
  • 3. Aula 2 - Estratégias de compras inadequadas
  • 4. Aula 3 - Processo de vendas desconectado da produção
  • 5. Aula 4 - Politicas de vendas a serem evitadas
  • 6. Aula 5 - Produção Inflexivel
  • 7. Aula 6 - Desenho de produto não otimizado
  • 8. Aula 7 - Medidas de Desempenho Niveladoras
  • 9. Aula 8 - Desenvolvimento Estratégico do Produto
  • 10. Aula 9 - Compras Estratégicas
  • 11. Aula 10 - Manufatura mais flexível
  • 12. Aula 11 - Políticas comerciais e de precificação
  • 13. Aula 12 - Integração Vendas-Produção
  • 14. Aula 13 - Relacionando problemas e soluções
Papel do Lean na Redução de Custos
Nesses períodos recessivos cada vez mais desafiadores, uma famosa frase dita por um executivo nunca foi tão vivenciada pelas empresas: “custos são como unha, precisamos cortá-los toda segunda-feira”. A grande chave para o sucesso, entretanto, não é fazer isto deliberadamente, mas sim agir à maneira lean, ou seja, reduzir custos e ao mesmo tempo entregar, de forma rentável, a satisfação que os clientes exigem.

Neste módulo, você aprenderá o papel das ações de melhoria contínua na redução de custos, porque isso é importante e como fazer isto. Você também aprenderá quais são os componentes de custos e ganhos que são mais afetados pelas iniciativas de melhoria, para assim poder priorizá-las em sua organização.

Assista ao módulo e alie a melhoria contínua ao processo de redução de custos!
  • 1. Trailer - Melhoria Contínua como aliada para redução de custos
  • 2. Aula 1 - Introdução: por que é importante aliar melhoria à redução de custos
  • 3. Aula 2 - Satisfação do consumidor de forma rentável
  • 4. Aula 3 - Onde podemos atuar
  • 5. Aula 4 - Identificar e adequar valor
  • 6. Aula 5 - Fluxo contínuo & Layout Lean
  • 7. Aula 6 - Produção puxada / kanban
  • 8. Aula 7 - Lean Logistics/ Movimentação interna
  • 9. Aula 8 - Padronização e balanceamento
  • 10. Aula 9 - SMED
  • 11. Aula 10 - TPM
  • 12. Aula 11 - Cadeia de Suprimentos Enxuta (Lean Supply Chain)
  • 13. Aula 12 - Lean Office, Ambiente Administrativo Enxuto
  • 14. Aula 13 - Ferramentas, Sistemas e Comportamento
Aumentando a produtividade com o 5s nas organizações e até em casa
Conforme o tempo passa, temos a tendência a acumular coisas, sejam elas, papéis, ferramentas, materiais de escritório ou equipamentos, por exemplo. Esse acúmulo leva a pequenos desvios nos padrões de trabalho e organização e, após algum período, grande parte das melhores práticas são perdidas.

Esse cenário descrito acontece na empresa, escritório, hotel, hospital e até mesmo dentro de casa. O problema é que esses desvios diminuem a produtividade e a motivação, sem contar na possibilidade de aumentar acidentes de trabalho.

Nesse módulo será apresentado a metodologia do 5S, que consiste em 5 etapas para deixar um ambiente mais produtivo e agradável com a garantia que essas melhorias sejam duradouras. O 5S é mais do que apenas organizar e limpar, por isso, além dos três primeiros sensos, daremos ênfase nas fases de padronização e sustentabilidade da metodologia, que são os etapas onde a maioria das pessoas falham.
  • 1. Trailer - 5S
  • 2. Aula 1 - Origem do 5S
  • 3. Aula 2 - O que é o 5S?
  • 4. Aula 3 - Senso de Utilização
  • 5. Aula 4 - Senso de Ordenação
  • 6. Aula 5 - Senso de Limpeza
  • 7. Aula 6 - Sendo de Padronização
  • 8. Aula 7 - Senso de Autodisciplina
  • 9. Aula 8 - Sustentabilidade
  • 1. Aula 01 - Introdução
  • 2. Aula 02 - Qual é o problema
  • 3. Aula 3 - Círculo de de Ohno
  • 4. Aula 4 - Gráficos de Controle
  • 5. Aula 5 - Folhas de Verificação
  • 6. Aula 6 - Diagrama de Causa e Efeito
  • 7. Aula 7 - Histograma
  • 8. Aula 8 - Diagrama de Dispersão
  • 9. Aula 9 - Diagrama de Pareto
  • 10. Aula 10 - ARA: Arvore da Realidade Atual
  • 11. Aula 11 - 5 Por Quês
  • 12. Aula 12 - 5W 2H
  • 13. Aula 13 - Revisão das Ferramentas
  • 1. Aula 1 - O que é Toyota Kata?
  • 2. Aula 2 - Pensamento Científico
  • 3. Aula 3 - Os 4 passos do Modelo Toyota Kata para Melhoria
  • 4. Aula 4 - Ciclos de Coaching
  • 5. Aula 5 - Kata de Melhoria
Voltar ao topo